Pesquisar este blog

CULTURAFRO PODE GANHAR NOVAS EDIÇÕES


A proposta é que tenha outras edições. “Estamos trabalhando para que seja mensal. A idéia será analisada”, finaliza o DJ


O último domingo (20) foi diferente para os freqüentadores da praça João Pessoa. O Culturafro chamou a atenção com suas atrações. Grupos de Hip Hop, Funk, capoeira e pagode se apresentaram na primeira edição do evento, que teve o Som nas Ruas Produções e a Associação Cultural U´manos realizando o evento. A Prefeitura Municipal, pela Secretaria de Cultura foram parceiras do evento, realizando uma das metas do Governo Municipal, que é a diversidade cultural, apoiando a cultura urbana em suas manifestações que, ocupando um espaço público mais central, provoca a reflexão com suas diferentes expressões e linguagens possibilitando o intercâmbio das realidades.

O objetivo do Culturafro é dar visibilidade e espaço para estes grupos, que em sua maioria são formados por jovens, de acordo com o DJ Sancler, responsável pelo projeto. “A essência da proposta é que estes grupos que estão na periferia tenham uma visibilidade maior. Trazendo esta cultura urbana para um espaço central, podemos provocar uma reflexão. São realidades diferentes que através de expressões culturais como a música e a dança, podem ser mais bem compreendidas”, afirma Sancler.

A proposta é que tenha outras edições. “Estamos trabalhando para que seja mensal. A idéia será analisada”, finaliza o DJ. As apresentações tiveram início ás 16h. Os grupos de axé Amantes da Dança, Grupo Energy e Axé & Cia levantaram o público. O hip hop com Street Sk, Black Star e Blackout Geral também fez o pessoal cantar. A capoeira ficou por conta do grupo Raça Unida. O grupo de pagode + Q Por Acaso encerrou a noite. As cidades de Birigui, Rancharia e Valparaíso também participaram da festa, enviando seus artistas.

CULTURAFRO – o nome
O nome “Culturafro” de acordo com Sancler foi criado por ter uma ligação direta com a cultura africana. “A capoeira, por exemplo, tem uma forte influência da cultura africana” explica o responsável pelo evento.

SIGA-NOS
Twitter: @smcultura