Pesquisar este blog

Cultura para mudar a vida das pessoas

Professor Hélio Consolaro
O professor Hélio Consolaro, titular da Secretaria Municipal de Cultura (SMC) tem comandado uma série de ações que visam promover a cidadania por meio das artes. Nesta entrevista, ele cita como a cultura pode mudar a vida das pessoas e presta contas dos trabalhos realizados por sua pasta. 

A SMC é órgão da Administração Municipal responsável pela formulação, execução e avaliação da Política Municipal de Cultura e tem por objetivo fomentar a produção cultural, preservar e valorizar os ativos culturais no Município de Araçatuba, bem como assessorar o Prefeito Municipal nos temas da Política Cultural. 

São atribuições do secretário municipal de Cultura comandar e supervisionar a execução das atribuições da secretaria (de que trata o artigo anterior), bem como conduzir a Política Municipal de Cultura em toda a sua amplitude, integrando as ações da Secretaria com as políticas sociais que no seu conjunto dão efetividade aos direitos fundamentais da população de Araçatuba. 

Professor Hélio, quais seriam, neste ano de 2011, as principais atividades de sua secretaria? 

Para mim, as principais atividades envolvem formação e fomento, como Balé Municipal, Projeto Guri e oficinas culturais. 

De que forma o trabalho da secretaria tem modificado a vida das pessoas? 

Se temos quase 500 crianças no Balé Municipal e quase o mesmo tanto no Projeto Guri. Também promovemos oficinas de teatro, estamos modificando a vida das pessoas. Pois, estamos investindo na formação das crianças, dos jovens. Gostaria de implantar muitos outros Pontos de Leitura, porque a leitura modifica as pessoas. 

Como está o investimento de reforma do Centro Cultural Ferroviário e do Castro Alves? 

O projeto da revitalização do Centro Cultural Ferroviário está parado no Ministério da Cultura. Esperamos a nova ministra tomar pé da situação e libere os recursos. Quanto ao funcionamento do teatro Castro Alves, reparos e equipamentos estão em processo licitatório. Ele entrará no roteiro do próximo Festara. O prefeito Cido Sério destinou R$ 500 mil para isso. 

Quais as ações da secretaria que objetivam a preservação do patrimônio cultural da cidade? 

A nova lei que está tramitando na Câmara Municipal de Araçatuba dará suporte jurídico para uma nova política de memória e preservação do patrimônio. Ela dá novo foco ao tombamento. Lembrando que tombar não é tomar. 

Como o senhor avalia a produção cultural na cidade? 

Podia ser melhor, mas não perde para outras cidades do mesmo porte. Precisamos, na verdade, é de mais equipamentos culturais, como um teatro para 600 pessoas, uma biblioteca moderna, funcionando como centro de informações, um centro grande para eventos, um prédio moderno para outro museu, deixando o Cândido Rondon como temático (índios e fundadores). O que não falta ao prefeito Cido Sério são sonhos, mas o conserto do asfalto de nossas curas consome os recursos. 

De que forma a secretaria tem ajudado os artistas a desenvolverem e divulgar seus trabalhos? 

Com a criação do Fundo Municipal de Apoio à Cultura, projeto elaborado em parceria com o Conselho Municipal de Políticas Culturais, que será protocolado na Câmara Municipal pelo prefeito Cido Sério, os artistas e produtoras culturais que apresentarem projetos, que devem ser aprovados pelo CMPCA, terão R$ 600 mil anualmente para elaborar, desenvolver e divulgar seus trabalhos. O percentual poderá ser melhorado futuramente, mas já é um bom começo. 

O senhor avalia de que forma a participação da população nos eventos culturais em Araçatuba? 

Temos uma minoria que esperneia, afirma que não há eventos, mas quando se traz Zeca Baleiro, por exemplo, não comparece, porque o show foi na praça. Gosta de coisa cara, torcem o nariz para espetáculos gratuitos, não se misturam. Ou, senão, gostam de artes clássicas. Felizmente, isso está mudando. A nova geração é mais aberta, moderna, plural. Também, precisamos levar em consideração que a sociedade hoje é tribalizada, cada grupo social gosta de um estilo, de um gênero. As opções de lazer, hoje, são múltiplas. Só temos pouco público em atividades culturais mais restritas. Alguns acham normal, a arte deve ser apenas para iniciados. De certa forma, não temos tido muitas frustrações quanto ao público. 

Como a cultura pode ser democratizada? O que a secretaria tem feito neste sentido? 

A cultura só é democratizada quando a gestão dos recursos o for. Temos um Conselho Municipal de Política Cultural, aprovado pela Câmara Municipal; já convocamos a Conferência Municipal de Cultura por duas vezes, 2009 e 2011. Discutimos o Plano Municipal de Cultura para os próximos 10 anos. Também está na Câmara o projeto de Lei de Incentivo Fiscal, feito em parceria com o CMPCA, e aceito pelo prefeito Cido Sério. Em 2012, teremos uma gestão diferenciada na Cultura de Araçatuba. E mais importante: as outras forças políticas da cidade estão representadas no Conselho Municipal de Políticas Culturais, participando da discussão do processo. Isso garante a continuidade. O prefeito Cido é corajoso, abre mão de seu poder imperial, está construindo a cidadania cultural em Araçatuba.