Pesquisar este blog

Araçatuba, cidade da dança

Conforme levantamento feito pela consultoria JLeiva, com recursos do Proac e da Lei Rouanet, o município tem o segundo maior índice do Estado de São Paulo em frequência de público em espetáculos de dança, com 24%; a cidade fica atrás somente de São Bernardo do Campo, com 26% da população interessada por este tipo de evento. Imagem: Dayse Maria/Folha da Região

Araçatuba tem o segundo maior índice do Estado de São Paulo em frequência de público em espetáculos de dança. O dado foi revelado a partir dos resultados de uma pesquisa divulgada recentemente, coincidindo com os preparativos do 1º Edara - Espetáculos de Dança de Araçatuba, mostra local que acontece no final deste mês. O estudo foi realizado pela JLeiva, empresa de consultoria em eventos culturais e esportivos, com verba obtida por meio do Proac (Programa de Ação Cultural da Secretaria de Estado da Cultura) e da Lei Rouanet de incentivo fiscal.

O município, com 24% da população interessada por este tipo de evento, só perde para São Bernardo do Campo, com 26%, ficando na frente até da capital, cujo índice foi de 18%. "Perguntamos para as pessoas se elas foram a algum espetáculo de dança no último ano, no último mês, há mais de um ano ou se nunca foram. Araçatuba foi o segundo município do estado em número de pessoas que declararam ter ido a um espetáculo de dança no último ano", explica o consultor João Leiva, idealizador do estudo.

A pesquisa traz dados sobre o comportamento, os interesses e o conhecimento cultural dos paulistas. No total, foram entrevistadas 7.939 pessoas de 21 ci- dades com mais de 100 mil habitantes. O questionário contou com 80 questões, aplicadas em campo pelo Instituto Datafolha.

O resultado deixou o secretário municipal de cultura Hélio Consolaro satisfeito. "Significa que nossos esforços para tornar Araçatuba conhecida como um polo da dança no interior estão indo no caminho certo", diz. Para ele, os dados da pesquisa refletem o trabalho feito com o Balé Municipal, que envolve não só as crianças que participam das aulas, mas também os pais e amigos que frequentam as apresentações. "É um tipo de formação de plateia", complementa.

FESTAS POPULARES
A cidade também está acima da média do Estado em presença em festas populares (34%) e shows musicais (28%). Dentro das festas populares, como explica Leiva, estão eventos como festas juninas, rodeios, carnaval, festas do setor agropecuário em geral. "Deixamos 'festas populares' em aberto, sem restringir, mesmo porque o número de questões era grande e também para não induzir as pessoas a responderem com algum exemplo dado", afirma.

A Expô Araçatuba, aliás, apareceu no topo dos eventos mais importantes da cidade, empatando com a Virada Cultural Paulista, ambas com 12%. Para Consolaro, é algo positivo, já que a feira agropecuária, mais popular, traz shows de cantores com destaque na mídia, e a Virada, atrações não tão conhecidas (o que, em alguns casos, poderia ser um fator que despertasse menos o interesse das pessoas). "São eventos diferentes e há público aqui para os dois", acrescenta o secretário.

TERCEIRA OPÇÃO
As atividades culturais, porém, vêm como terceira opção nas preferências dos araçatubenses em seu tempo livre; 17% deles afirmaram recorrer a este tipo de lazer, perdendo para atividades de mídia, co- mo assistir TV ou navegar na internet (26%) e para as atividades esportivas (com 23%). Segundo Leiva, o distanciamento do município de cidades maiores que oferecem mais opções de atividades culturais pode in- fluenciar nisso.

"Araçatuba, na pesquisa, é a que está mais a Oeste, tirando Presidente Prudente. A gente percebe que em todas estas cidades menores, com menos de 200 mil habitantes, há menos atividades de cinema, por exemplo, provavelmente porque o número de salas é bem abaixo das demais cidades. Há um número de municípios perto da capital, que devem ter o mesmo nível de oferta cultural de Araçatuba, mas as pessoas acabam tendo uma vida cultural mais intensa porque têm como acessar atividades naquelas cidades maiores próximas", analisa o consultor.

Um dado curioso revelado ainda pela pesquisa foi uma grande parcela de desinteresse da população pelo teatro, mesmo havendo anualmente o Festara (Festival de Teatro de Araçatuba), que teve sua décima edição em 2014, e um curso local profissionalizante em artes cênicas; 49% dos entrevistados alegaram não se interessar pelo segmento. A falta de espa- ços que ofereçam este tipo de atração próximo à resi- dência das pessoas foi outro motivo alegado para não irem a espetáculos teatrais.

LACUNA
Para Consolaro, a causa da lacuna ainda vai além. "Em Araçatuba não há um teatro público de grande porte, que acomode um número superior de pessoas. Mas, além disso, não existe uma oficina fixa voltada às crianças, como acontece com o Balé Muni- cipal. E os hábitos culturais devem ser estimulados desde a infância", diz.

Segundo o secretário, a pesquisa será analisada pela secretaria junto ao CMPCA (Conselho Municipal de Políticas Culturais de Araçatuba); a partir deste estudo mais detalhado, como ressalta, será possível ter uma noção dos pontos positivos e de tudo aquilo que precisa ser melhorado, além de apontar caminhos para realizar essas melhoras. Os gráficos, assim como os dados tabulados em planilha Excel, estão disponíveis gratuitamente para serem baixados no site www.jleiva.com.br.

Fonte: Talita Rustichelli - Folha da Região