Pesquisar este blog

Franco da Sermide - Memória preservada

Três painéis do italiano foram transferidos da sede social para o Araçatuba Clube de Campo

Enquanto uma parte da história da cidade se transformava em escombros para a construção de um novo empreendimento, no Centro de Araçatuba, outra parte era preservada, na rua Baguaçu. A transferência dos três painéis da sede social do Araçatuba Clube, no cruzamento das ruas Duque de Caxias e Afonso Pena, para o Araçatuba Clube de Campo, na rua Baguaçu, foi finalizada e já pode ser conferida pelo público.

De agora em diante, a população pode vê-los em cores mais vivas, próximas do que eram quando o artista plástico italiano Franco da Sermide os fez, no final da década de 1960, durante sua passagem pelo município. O trabalho foi coordenado pela artista plástica biriguiense Rose Fávero, especializada em restauração e contratada pelos empresários que compraram o antigo prédio.

O processo começou em 2012, quando foi feita a remoção das obras. Segundo Rose, foi a fase mais complexa, já que envolveu um trabalho pesado e um cuidado extremo para que nada fosse danificado. Os painéis medem aproximadamente sete metros de comprimento por quatro de altura. Dois deles estavam instalados nos dois lados de uma mesma parede, que tem 40 centímetros de espessura e teve de ser retirada. Um lado ficava voltado para o interior do clube e o outro, para a parte externa. O terceiro também estava no exterior do local.

Agora, a parede dupla fica na entrada principal do Araçatuba Clube de Campo, enquanto o outro painel foi colocado no salão de festas. Por enquanto, é preciso adentrar o espaço para visualizar todas as obras, mas a ideia é, de acordo com o presidente do Araçatuba Clube, Severino Garcia Figueroa (o Bié), derrubar parte do muro externo que fecha o clube, para que pelo menos uma das faces fique visível para quem passar pela rua.

Rose afirma que este foi um dos trabalhos mais difíceis feitos por ela, que tem vasta experiência em restauro de imagens sacras, pinturas de igrejas e outras obras de arte. Antes de dar início à parte prática, a artista realizou uma pesquisa sobre Franco da Sermide, que envolveu conversas com pessoas que o conheceram e a leitura de recortes de jornais e de um escasso material encontrado sobre ele na internet.

O italiano viveu durante 20 anos no Brasil e faleceu vítima de enfarto em 1973, aos 53 anos. Criou também outras obras em Araçatuba. Uma delas, que ficava na fachada do antigo Intec (Instituto Noroestino de Trabalho, Educação e Cultura), foi extinta com a falta de preservação e com a ação do tempo. Atualmente, funciona no local a Casa de Cultura Adelino Brandão (que abriga a Secretaria Municipal de Cultura), onde há também uma escultura de Sermide, intitulada "Os Amantes". Outro painel está onde hoje é a Caixa Econômica Federal, na praça Rui Barbosa. Além disso, fez algumas esculturas para residências.

Rose também recorreu a textos específicos que abordavam a técnica para remoção de grandes obras. Foi desta forma que descobriu como os egípcios transferiram uma de suas esfinges, para preservá-la de uma possível enchente do rio Nilo. "Eles fragmentaram a esfinge em blocos, da mesma forma como fiz com os painéis do Araçatuba Clube", diz.

CORTES
A artista contou com o auxílio do pai e do marido, que já trabalhavam com ela em algumas ocasiões, e mais dois assistentes. Ela afirma que riscou cuidadosamente com giz os locais onde deveriam ser feitos os cortes, em partes com menos riscos de danificação ou descaracterização do trabalho
de alto-relevo na parede com cimento e outros materiais. As paredes foram seccionadas em 14 blocos cada, com o uso de máquinas manuais.

O primeiro painel começou a ser colocado e restaurado no prédio da rua Baguaçu, em setembro de 2013. Após transportados os blocos, eles foram chumbados na nova parede e Rose deu início à pintura. Para isso, antes realizou uma fase de testes de camadas, para verificar as cores utilizadas.

TÉCNICA
"Isso é feito por meio de uma técnica de raspagem, comum bisturi em diferentes regiões da obra, a fim de encontrar a cor original. Havia várias camadas de tintas diferentes, colocadas ali com o passar dos anos, por isso foi bem difícil chegar aos tons iniciais. Cheguei o mais próximo possível", explica a artista. A tinta utilizada por ela foi um látex alemão e pigmentos para a elaboração das cores.

Segundo Rose, os painéis podem ser classificados como expressionistas. "Não há uma preocupação com a forma ou com a linha. Sermide fez as obras focando o sentimento e a emoção das pessoas", diz. Os trabalhos retratam temas ligados ao cotidiano do clube e também à cultura, trazendo pessoas lendo, conversando e praticando esportes.
  
Restauro custou cerca de R$ 200 mil

Sobre fazer parte do projeto de transferência e restauração das obras de Fraco da Sermide, a artista plástica Rose Fávero afirma que foi um grande aprendizado, além de considerá-lo importante para a preservação da memória araçatubense.

“Por mais coisas que eu saiba, por mais cursos que eu faça, a cada trabalho eu aprendo algo novo, pois cada um é diferente. E foi uma atitude louvável dos empresários ter mandado transferir e restaurar algo de extrema importância histórica para Araçatuba”, complementa.

Todo o trabalho de transferência e restauração foi motivado pela importância do Araçatuba Clube para a cidade, segundo o empresário Emiliano Rodrigues, da Construtora Conscape, grupo que comprou o prédio na área central para a construção de uma torre comercial.

“Entendemos que a cidade fazia muita questão destes painéis e decidimos, com o suporte da Secretaria Municipal de Cultura e outras pessoas ligadas às artes, realizar o trabalho. Por meio dos painéis, se preserva parte do que o Araçatuba Clube representou durante um longo período para a cidade”, afirma Rodrigues.

Foram gastos aproximadamente R$ 200 mil, custeados pela construtora. Uma cerimônia para a entrega oficial dos painéis à cidade será organizada nos próximos dias, ainda sem uma data definida, conforme Rodrigues.

ACESSO
A escolha do Araçatuba Clube de Campo como novo abrigo foi feita levando em consideração que os painéis pertenciam ao clube, além de ser um espaço de fácil acesso.

O presidente do clube, Severino Garcia Figueroa, garante que cuidará da preservação das obras e afirma que visitantes podem adentrar o espaço em qualquer hora, dentro do período em que o local funciona.


Os dias e horários são: segunda-feira, das 14h às 22h; de terça a sábado, das 7h às 22h; e aos domingos, das 7h às 20h. O Araçatuba Clube de Campo fica na rua Baguaçu, número 892.

Fonte: Folha da Região - Talita Rustichelli