Pesquisar este blog

30.ª edição da Violeira Rose Abrão em Araçatuba


No próximo sábado, 10 de agosto, teremos modas de viola de todo o Brasil na praça João Pessoa, em Araçatuba, quando acontecerá a 1.ª etapa da 30.ª edição da Violeira Rose Abrão, cuja última etapa ocorrerá em Barretos, durante a Festa do Peão. O início da festa ocorrerá às 19h30 e terá também a apresentação do grupo de catira Novos Araçás, acompanhado da dupla Du Viola e Horizonte.

Violeiros inscritos:

1.Música: A maior festa de peão da América Latina
Compositor: Jorge Neves
Dupla: João Viola & Rangel
Cidade: Londrina e Cambé/PR

2. Música: Arreio de sola batida
Compositor: Nilton Lourenço da Cruz
Dupla: Parreira e João do Vale
Cidade: Araçatuba-SP

3. Música: Comotiva dos sonhos
Compositores: Adilson da Silva e Luís Cândido da Silva
Dupla: Guilherme e Denilson
Cidade: Birigui-SP

4. Música: Eu, ela e a viola
Compositores: Paulo Ricardo Costa e Arison Martins
Dupla: Arison & Emerson
Cidade: São Vicente do Sul - RS

5. Música: Quando abraço a viola
Compositores: Caio Martinez, Samuel Costa e Lucas Nunez
Dupla: Arison & Emerson
Cidade: São Vicente do Sul - RS

6. Música: Recordando o passado
Compositor: Vergílio Trevizan (Serestino)
Dupla: Serestino e Daniel
Cidade: Araçatuba-SP

7. Música: Tapera Veha
Compositor: Sabino Vicentin
Dupla: Sá Vicentin & Heitor
Cidade: Chapeçó-SP

Promoção: AGCIP - Monte Alto-SP
Emenda do deputado estadual: Antônio Mentor
Parceria: Secretaria Municipal de Cultura de Araçatuba-SP

Festival Violeira Rose Abrão

O festival Violeira Rose Abrão completa em 2013, 30 anos. Trata-se do mais antigo e importante festival de música raiz que se tem notícia.

Rose Abrão
Ela é conhecida em todo Brasil por manter em sua essência a tradição e a cultura sertaneja, além de revelar novos talentos da música raiz. Entre os importantes nomes que já passaram pelo festival estão: Rionegro & Solimões, Zé Henrique & Gabriel, Durval & Davi, Zé do Cedro & João do Pinho, Gedeão da Viola, Edmauro e Edivaldo (Violeiros da Amazônia), Itamaracá, entre outros.

No concurso é obrigatória a apresentação com uma viola de 10 cordas, para manter a tradição e as raízes da genuína música sertaneja. Como tema, grande parte das canções falam Festa do Peão de Boiadeiro, seu estilo de vida, suas vestimentas e costumes estradeiros. Embora o tema seja livre, as canções buscam a cada nova edição, manter suas bases, com palavras e vocabulários usados tão somente entre pessoas que vivem a verdadeira música raiz.

Histórico da Violeira

A "Violeira" inicialmente era realizada nos bairros da cidade de Barretos, reunindo violeiros de todos os cantos. A partir do ano de 1993, a "Violeira" passou a levar o nome de "Rose Abrão", perpetuando assim como patrono de um dos principais festivais do país, um dos maiores amigos dos violeiros de todas as regiões do Brasil.

Gaze Abrão, seu verdadeiro nome, comerciante de cereais e amante da música raiz, nasceu no dia 30 de março de 1.936, no Ibitu, distrito de Barretos. Foi casado com Dona Elza por 34 anos e sempre morou na Avenida 47, 1.126, esquina da Rua 28, quando no ano de 1.984 mudou-se para a Rua 30, 118, esquina da Avenida 47, onde existe até hoje o famoso "Sobrado da Alegria", quartel general dos violeiros, segundo o compositor João Pacífico, jurado de honra da "Violeira", no livro de assinaturas dos violeiros que por lá passaram.

Sobrado de Rose Abrão
O "Sobrado da Alegria" foi palco de muitas amizades, encontros musicais, letras e músicas que fluíam a todo instante como as notas em uma partitura. Era inevitável ponto de pouso dos admiradores da boa música raiz. Por lá passaram os maiores nomes da música raiz nacional; Tião Carreiro e Pardinho, Almir Sater, Antonio Borba, Pena Branca e Xavantinho, Suzamar, Ronaldo Viola e João Carvalho, César e Paulinho, Mocóca e Paraíso, Carreirinho, Amarai, Dino Franco e Morai, Sula Mazurega, Dalvan, Adalto Santos, João Pacífico e tantos outros.

Chamado de "padrinho dos violeiros", apelido dado por Tião Carreiro, "tio Rose" faleceu no dia 29 de janeiro de 1.993. A primeira e segunda "Violeira" foram coordenadas pelo saudoso Alaor de Ávila, e da terceira até a vigésima nona edição o festival foi coordenado por Wilson Garcia (Bezerrão) morto em 23/11/12.