Pesquisar este blog

MUSEU DO FERROVIÁRIO FOI CRIADO EM ARAÇATUBA



Moisés Joaquim Rodrigues - patrono do museu
O Governo Cido Sério e Carlos Hernandes, por meio da Secretaria Municipal da Cultura (SMC), criou, com aprovação do Conselho Municipal de Políticas Culturais e da Câmara Municipal o museu dos ferroviários, que terá o nome de Moisés Joaquim Rodrigues. O Diretor do Departamento de Preservação Histórico Cultural e Artístico da SMC, Carlos Paupitz, é quem está acompanhando o trabalho de criação do museu. Ele afirma que é fundamental a criação deste museu temático. “Esta é uma classe de trabalhadores que merece ter um espaço próprio. Com este local tenho certeza que iremos resgatar a memória e a dignidade destes profissionais”. 

O museu já possui cerca de 600 peças, que foram doadas pela família do ex-funcionário da estrada de ferro Noroeste do Brasil (NOB) Moisés Joaquim Rodrigues, falecido há seis anos, que foi chefe da estação ferroviária de Araçatuba. Entre as peças estão aparelhos de staff, telégrafos de vários modelos, lanternas sinalizadoras e diversas ferramentas. 

A previsão para a instalação do museu ainda não foi definida. Reuniões estão sendo realizadas desde 2009 e somente agora, com a formação da diretoria, é que o passo seguinte - adequação do museu - terá início. O Projeto foi aprovado na Câmara dos Vereadores no último dia 6 deste mês. 


TRAJETÓRIA 

Moisés Joaquim Rodrigues nasceu em Bauru em 28 de janeiro de 1934. Neste mesmo ano sua família mudou-se para Araçatuba, pois seu pai, José Joaquim Rodrigues, fora contratado como carpinteiro da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil. 

Em 1949, aos 15 anos, Moisés foi admitido como telegrafista da mesma ferrovia. Ocupando vários cargos, aposentando-se como Agente Comercial em 1989. Tornou-se um apaixonado pela ferrovia. Ao longo dos 40 anos de trabalho e após sua aposentadoria colecionou muitos documentos, fotos e objetos da época. 

Após a desativação da ferrovia em Araçatuba e a retirada dos trilhos que cortavam a cidade, alimentou o sonho de montar um museu ferroviário como o material coletado. Com isso pretendia preservar para sempre a história da ferrovia em nossa cidade, proporcionando assim aos mais jovens a oportunidade de compreender a importância desse meio de transporte para o desbravamento do interior do estado de São Paulo. 

Em 1999 organizou um museu em sua própria casa com a esperança de um dia conseguir um local mais adequado para este fim. Faleceu em 2004. 


 
Secretaria de Comunicação Social – SMCS 
Prefeitura Municipal de Araçatuba – PMA 
(18) 3607-6611 
www.aracatuba.sp.gov.br 
Assessoria de Imprensa
.
22/12/2010