Pesquisar este blog

Secretário da Cultura visita antiga estação ferroviária no bairro Eng. Taveira para constatar possível descaracterização de patrimônio histórico.

O secretário da cultura, prof. Hélio Consolaro esteve visitando hoje pela manhã o bairro rural de Engenheiro Taveira. O motivo da visita foi uma possível descaracterização da antiga estação ferroviária do bairro rural Engenheiro Taveira, ramal Lussanvira, tendo como as décadas de 50 e 60 como as mais ativas.



Hélio recebeu o telefonema de Lenira Sônia Borgeth, responsável por fazer trabalhos comunitários naquele bairro, chegando ao seu conhecimento que no local, antiga estação ferroviária, materiais de construção haviam sido descarregados. O secretário da cultura de Araçatuba por sua vez pediu para que a mesma também ligasse para Salomé Macedo, presidente do Conselho Municipal de Cultura, que entrou em contato com Mauro Rico, arquiteto da prefeitura e membro do conselho de cultura, onde acharam conveniente contar com as presenças de Margareth Martins do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico de Araçatuba (CONDEPHA). Carlos Nova, Diretor de Turismo do município e Carlos Paupitz, Chefe de serviço do Patrimônio Histórico Cultural e Artístico do Museu histórico e pedagógico “Marechal Cândido Rondon”.

Chegando ao local, o secretário pediu licença para conversar com o responsável e foi prontamente atendido por D. Iraci Domingos da Silva, 66, moradora do local há mais de 50 anos. De acordo com a moradora eles vieram de Minas Gerais e se instalaram em Taveira, seu pai já falecido, o Sr. Antônio Domingues recebeu a autorização do antigo funcionário, o Sr. “Renato”, agente da rede ferroviária que após a desativação da estação a família poderia morar no local. Sendo assim, a família se instalou no local ficando até os dias de hoje.
Questionada sobre os materiais de construção D. Iraci disse que seria para a casa do filho que seria feita ao lado e não para a antiga estação, o que tiraria todo o valor histórico.





Existe a necessidade de realizar o tombamento histórico do local para que sejam preservadas suas características. “Só a lei tombando, de nada vale, temos de tombar e agir! Restaurar o prédio, dar uma destinação pública. Um exemplo é montar um escritório da prefeitura em Taveira”, disse Hélio Consolaro que sobre a situação da família afirmou da necessidade em dar-lhes um suporte, já que há meio século eles vivem no local. “Temos de estudar uma maneira, unindo-nos às secretarias, a Ação Social é uma delas. Quem sabe arrumar um local bem próximo!” afirmou o Secretário da Cultura de Araçatuba.


Durante a visita, Mauro Rico encontrou uma parte pertencente à história do local, uma peça de madeira pertencente ao guichê de atendimento da antiga estação. Segundo Rico e Salomé é possível a restauração, já que o prédio abriga as características de sua construção, inaugurado em 15 de maio de 1927. Telhas e todo o madeiramento, assim como a fachada podem ser vistos na sua originalidade, mas em condições que precisam de reparos.








“Não temos certeza, mas quem sabe, aqui pode haver também árvores centenárias. É trabalhosa a restauração, mas perfeitamente possível”.
Sobre a visita Salomé disse, “Importante ressaltarmos o esforço de várias pessoas de diferentes secretarias e órgãos”. Para Hélio Consolaro a visita também serviu como união e chamou a atenção para o fato de o próprio morador olhar para o seu município.

Abaixo um breve histórico da estação ferroviária “Engenheiro Taveira”.


HISTORICO DA LINHA: O ramal de Lussanvira, era parte do tronco da Noroeste até pelo menos 1940, quando a variante mais ao sul foi terminada, ligando Araçatuba a Jupiá. O trecho foi abandonado por passar por uma zona de malária muito intensa, onde prevalecia o impaludismo, causando problemas para os ferroviários e moradores da região. Nesse ano, o trecho entre Lussanvira e Jupiá foi suprimido, pois era o que apresentava piores condições para tráfego e povoamento. Por volta de 1962, o ramal foi definitivamente extinto, e todo o trecho junto a Lussanvira, incluindo a própria estação, foi submergido pela construção da represa de Três Irmãos.
A ESTAÇÃO: A estação de Engenheiro Taveira foi aberta no tronco da Noroeste em 1927, com o nome de Potiguara. Em 1931, o posto ganhou o nome atual, homenageando um engenheiro da Noroeste da época da sua construção.