Edara - Programação Completa

1.º EDARA está com inscrições abertas para 25 workshops de dança


Após o encerramento das inscrições exclusivas para participações de academias de dança da cidade e região no 1.º EDARA (Espetáculos de Dança de Araçatuba), no dia 7 de novembro, está dado o segundo passo rumo à concretização do projeto “Araçatuba, Território da Dança”, iniciativa da Prefeitura de Araçatuba e Secretaria Municipal de Cultura (SMC). Estão abertas as inscrições para pessoas interessadas em participar de 25 workshops.

O 1.º EDARA acontecerá entre os dias 28 de novembro e 2 de dezembro, aniversário da cidade, com apoio da TV Tem, SESC e UNIP. Nesse mesmo período, dois módulos de workshops estão definidos: de balé clássico e dança de salão. O primeiro terá aulas de balé clássico, balé contemporâneo, jazz, sapateado, dança de rua (hip hop) e dança do ventre. A bailarina Ana Botafogo, que é madrinha do evento, coordenará um workshop.

O módulo sobre dança de salão também terá um convidado especial: o dançarino e coreógrafo Carlinhos de Jesus. Outros profissionais de Araçatuba darão aulas sobre salsa, vanerão, samba-rock, tango, samba no pé, forró, bolero, sertanejo universitário, flash back, rock soltinho, valsa, roda de cassino, samba de gafieira, lady style e zouk. Todos os workshops serão realizados na academia Sandro’s Dance.

Ana Botafogo e Carlinhos de Jesus se apresentarão no dia 1.º de dezembro, na ACEA (Associação Cultural Esportiva de Araçatuba), no Jardim do Prado. Estão agendadas apresentações na UNIP (universidade Paulista) nos cinco dias da promoção, que é uma das ações comemorativas aos 106 anos de fundação da cidade. Com este projeto, Araçatuba inicia os movimentos para se tornar referência regional na dança.


INSCRIÇÕES

Acessar e preencher:

http://www.aracatuba.sp.gov.br/arquivos/Ficha_de_inscrição_para_aulas_de_Balé_Clássico.doc

http://www.aracatuba.sp.gov.br/arquivos/Ficha_de_inscrição_para_aulas_de_Dança_de_Salão.doc

Enviar ficha para Secretaria Municipal de Cultura: primeiro.edara@gmail.com


MÓDULO DE BALÉ CLÁSSICO


Dia 28/11, 10h: aula com o professor Andrey Alves, de Quasar Cia. de Dança
Modalidade: contemporâneo
Academia Equilíbrio Natália Silva Ballet
Rua Rubião Júnior, 30
30 vagas

Dia 29/11, 10h: aula com Patrícia Alquezar, de Cisne Negro Cia. de Dança
Modalidade: balé clássico
Academia Stella Maris
Rua Euclides da Cunha, 906
30 vagas

14h: aula com Maíra Fornari
Modalidade: balé clássico
Escalada Ballet
Rua Luiz Pereira Barreto, 307
20 vagas

Dia 30/11, 9h30: aula com Arilton Assunção, de Faces Ocultas Cia. de Dança
Modalidade: contemporâneo
Escalada Ballet
Rua Luiz Pereira Barreto, 307
20 vagas

Dia 01/12, 15h: aula de Cia. Pé na Tábua
Modalidade: sapateado
Academia de Dança Ana Eliza Antunes
Rua Gandhi, 41
30 vagas

17h: aula com Ana Botafogo
Modalidade: balé clássico
Academia Equilíbrio Natália Silva Ballet
Rua Rubião Júnior, 30
30 vagas

Dia 02/12, 10h: aula com Edy Wilson, de Anacã Cia. de Dança
Modalidade: jazz
Academia Anamaria Ballet
Rua Afonso Pena, 1144
30 vagas

10h: aula com Frank Ejara
Modalidade: dança de rua
Academia de Dança Ana Eliza Antunes
Rua Gandhi, 41
30 vagas

14h: aula com Munira Mugarib
Modalidade: dança do ventre
Academia Equilíbrio Natália Silva Ballet
Rua Rubião Júnior, 30
30 vagas


MÓDULO DE DANÇA DE SALÃO


Dia 30/11

Aulas de vários ritmos com os professores Sandro e Mariana, Pablio e Ana Cláudia, Danilo e Sabrina, Sérgio e Yoko, Heitor e Greice.
Duração de uma hora, com até 30 casais por aula.
Sandro´s Dance
Avenida José Ferreira Batista, 1724

13h10: aula de salsa

13h10: aula de vanerão

13h10: aula de samba-rock

14h20: aula de tango

14h20: aula de samba no pé

14h20: aula de forró

15h30: aula de bolero

15h30: aula de sertanejo universitário

15h30: aula de flash back

16h40: aula de rock soltinho

16h40: aula de valsa

16h40: aula de roda de cassino

17h50: aula de samba de gafieira

17h50: aula de lady style

17h50: aula de zouk


Dia 01/12, 17h: workshop de dança de salão com Carlinhos de Jesus
Sandro´s Dance
30 vagas para casais

MAAP recebe exposição sobre artefatos do candomblé


Durante a programção do II Festival de Cultura Afro-Brasileira, o Museu Araçatubense de Artes Plásticas (MAAP) recebe a exposição “Roupas de Santos”. As peças ficam em exposição até o próximo dia 24, aberta das 8h às 17h30. A mostra faz parte dos enfeites e adornos da Roça de Candomblé “Ilê Asé Opô Obá Edun Ará”.



Trazendo objetos que fazem parte das obrigações e trabalhos da roça de candomblé, enfeites, utensílios e adornos dos Orixás e Santos, a mostra retrata de maneira fiel aquilo que se encontra dentro do candomblé. Dentre as roupas de orixás expostas estão Iansã, Oxóssi, Iemanjá, Oxalá, Oxum, Ossain, Omolu, Ogum e Xangô. Além disso, outros apetrechos e adornos estão expostos para visitação.



A exposição faz parte do acervo da Roça de Candomblé “Ilê Asé Opô Obá Edun Ará”, que tem como responsáveis a Yalaorixá Maria ty Ayra, a Yalase Bárbara, o Babá Egbé Cassiano do Ogum, a Ekedy Eliandra de Iansã, e o Babalorixá Wagner de Ayra.



Apresentação

No sábado (22) a partir das 20h, o grupo fará uma apresentação para divulgar a cultura da religião afro na Praça João Pessoa, e no domingo, as 10h haverá um Siré (dança com canções e orações) para expor o conceito da religião.



Serviço

Exposição de Roupas de Santo

Museu Araçatubense de Artes Plásticas

Das 8h as 17h30

Livre - gratuita

Orquestra de Sopros: 85 anos de música de qualidade

Cid Frota tem 38 anos de dedicação a orquestra
Fundada em 1929, ano em que a cidade de Araçatuba completava 21 anos de fundação, a Orquestra Municipal de Sopros Bruno Zago, hoje com 85 anos, é motivo de orgulho para os integrantes e toda população local.

A orquestra, que é mantida pela Prefeitura Municipal de Araçatuba por meio da Secretaria Municipal de Cultura, tem como coordenador e maestro desde 2003 o músico Cid Frota, de 52 anos, grande conhecedor da história da banda, já que entrou no grupo aos 14 anos de idade, somando hoje 38 de dedicação e amor à música.

Composta atualmente por 14 integrantes, sendo todos eles músicos profissionais, a orquestra se apresenta em escolas, praças, inaugurações, eventos culturais e também em outros municípios. A mais recente foi no aniversário da cidade de Piacatu, no dia 8 de novembro. Seu repertório é formado, principalmente, por canções da música popular brasileira. “A gente só não toca no sol e na chuva, tendo uma sombra a orquestra toca”, explica Frota.

PREMIAÇÃO
No ano de 2011 a orquestra ficou em primeiro lugar na etapa regional do Mapa Cultural Paulista, e garantiu vaga na etapa anual em São Paulo. Foram selecionados apenas 14 grupos com capacidade e organização suficiente para divulgar culturalmente cada setor das artes, que eram compostas por grupos de teatros, música, coral, fotografia entre outros. O júri foi composto por maestros de renome internacional. A Orquestra Municipal de Sopros de Araçatuba foi a única citada durante pronunciamento de um dos jurados.

BIG BAND
Destacada e premiada por sua qualidade musical, a Orquestra Municipal de Sopros Bruno Zago funciona na formação “Big Band” nome de origem norte-americana que foi um grande grupo instrumental que se consagrou na chamada Era do Swing que aconteceu nos anos 20 aos anos 50, nos EUA.

A “Big Band” é formada por um naipe (cada um composto por quatro instrumentos) de saxofones, um naipe de trombones e outro naipe de trompetes, assessorados de percussão (bateria completa e percussivos), uma seção de harmonia (contrabaixo e piano) e uma seção de precursão (bateria completa e percussivos). Frota ressalta que a formação atual da orquestra é universal, ou seja, segue os mesmo moldes do que é estudado e desenvolvido em diversos lugares do mundo. “Toda ‘Big Band’ é uma orquestra de sopros, mas nem toda orquestra de sopros é uma ‘Big Band’”, completa o maestro.


HOMENAGEM
Bruno Zago foi um grande músico e professor de violino, além de ser um excelente luthier (construtor de instrumentos musicais em madeira) e sócio-honorário da ALMA (Associação Livre dos Músicos de Araçatuba). Nascido em Catanduva, Zago se mudou para Araçatuba no ano de 1968, onde foi convidado para integrar uma banda. Com muita minúcia, atenção a detalhes milimétricos, bom ouvido e concentração, o músico confeccionava diversos instrumentos musicais de corda tais como violinos, violas, violoncelos e contrabaixos. As principais madeiras que eram usadas por ele eram a grevilha e a tauari. Já o verniz ele mesmo que produzia. O seu primeiro instrumento foi um violino.

O luthier também foi entalhador, escultor e marceneiro. Todas as profissões tomadas pela arte. Seus violinos já percorreram diversos lugares do mundo, tais como Austrália, São Paulo, Belo Horizonte e África. Antes de morrer, o músico além de fabricar seus próprios instrumentos, também dava aulas em casa. Bruno faleceu no dia 23 de agosto de 2011, tinha 88 anos, sendo 60 anos totalmente dedicados a carreira de músico.

Vítima de uma forte pneumonia, o luthier deixou filhos, netos e admiradores por todo o mundo. No mesmo ano de sua morte, a Prefeitura de Araçatuba deu o nome do músico a banda através de Projeto de Lei que denominou “Bruno Zago” a Orquestra Municipal de Sopros, sendo aprovado pela Câmara Municipal.

APOIO
Para Frota a qualidade e performance que a orquestra tem hoje se deve ao empenho da administração municipal em parceria com a Secretaria de Cultura, que juntas conseguiram assessorar muito bem a banda. “Nós recebemos um apoio muito carinhoso e muito competente da secretaria de Cultura. Eles têm tido muito carinho e muito respeito com a orquestra, a maior parte da responsabilidade do sucesso e a receptividade que a orquestra tem tido hoje perante a população e da região se deve a esse apoio da secretaria”, conclui Frota.

Fonte: Raphael Narcizo - O Liberal Regional

Estão abertas as inscrições para o samba enredo do carnaval 2015


As inscrições para o samba enredo do Carnaval 2015 já estão abertas a partir desta terça-feira (18), até se estendem até o dia 15 de janeiro. A ficha de inscrições e o regulamento poderão ser retiradas na sede da Secretaria Municipal de Cultura, das 8h30 às 17h, na Casa da Cultura Adelino Brandão, onde fica a secretaria, situada na rua Anita Garibaldi, 75 - centro de Araçatuba. O compositor necessita morar em Araçatuba, por isso precisa comprovar residência.

A letra do samba-enredo precisa estar relacionada com o tema do carnaval de 2015 "Oxente! Uai! Vôti, véi!", sem necessidade de trazer a frase do slogan. O prêmio será de R$ 3.000,00. A gravação da música no momento da inscrição pode ser "caseira". Do vencedor, será exigida gravação com requintes técnicos, tendo 30 dias para isso.

Segundo o secretário de Cultura Hélio Consolaro, a escolha do tema se deve ao fato de que nordestinos e mineiros, foram os grandes responsáveis pelo desenvolvimento econômico e contribuíram para o avanço social e cultura da cidade. "Temos razões de sobra para homenagear essas regiões do país. Tanto os mineiros como os nordestinos são figuras presentes na história da nossa cidade", destacou o secretário. 

O tema do carnaval reúne três interjeições regionais. Entenda o significado de cada uma delas.

Oxente! - Termo usado, principalmente na região Nordeste do Brasil, para expressar surpresa, exclamação. A expressão tem sua origem na frase "Oh minha gente", que logo foi reduzida para "Oh gente!". De acordo com forma de falar na região, o termo tomou a forma de "Oxente".

Uai! - Os dicionários e gramáticas costumam dizer da expressão uai, com pequenas variações, mais ou menos o seguinte: trata-se de uma interjeição usada para exprimir surpresa, espanto, susto, impaciência, terror ou admiração, ou ainda para reforçar o que se disse antes; que é usada no Brasil, sobretudo em Minas Gerais, e também em Portugal, na ilha dos Açores, onde equivale a duas outras interjeições: «Ah!» e «Oh!»

Vôti, véi! – Vôti - Interjeição que designa surpresa, espanto, estupefação, admiração e também alegria, usada pelo interior do Brasil. Há quem diga que é redução da frase “Vou te contar”. Em Araçatuba, ela foi reforçada com a presença do vocativo “véi” (velho).  

Clique aqui e confira o regulamento para a inscrição do samba enredo.

Edara 2014 - Programação Completa




Orquestra Jovem encanta público da Retreta Dominical


No último domingo, a Retreta Dominical recebeu a presença da Orquestra Jovem de Reportório Livre, regida pelo maestro Areobaldo Manfredini. Com um repertório que une canções nacionais e internacionais, a orquestra entoou sucessos de diversas décadas, reunindo o melhor da música em todos os sentidos.

Retreta Dominical é um programa da Prefeitura de Araçatuba, feito Secretaria Municipal de Cultura, em que todas noites de domingos números artísticos são apresentados na praça Rui Barbosa, que foi recentemente restaurada. 


Seresteira Sueli Rodrigues acompanhou a apresentação entoando algumas canções

Durante toda a apresentação, o público se encantou com as canções trazidas pela orquestra e em alguns momentos, cantou alguns sucessos. A Orquestra Jovem de Repertório Livre existe há 15 anos e conta com cerca de 25 alunos integrantes, regidos pela sincronia do maestro Areobaldo.

A apresentação também contou com a participação da seresteira Sueli Rodrigues, que acompanhou a orquestra entoando algumas canções.


Percorrendo os caminhos da literatura

Apaixonados pela escrita, autores araçatubenses contam como adentraram no universo literário

Estar distante dos grandes centros urbanos não é um obstáculo para quem produz livros. Em Araçatuba o movimento literário é intenso e conta com diversos escritores membros da AAL (Academia Araçatubense de Letras), que fazem de suas aptidões na escrita um prazer e discutem a cada reunião novos direcionamentos para aperfeiçoamento e difusão da cultura. 

A academia é o principal órgão representativo do segmento literário e ponto de apoio à novos autores na região. Cerca de 20 membros participam ativamente das atividades mensais da entidade, além dos integrantes do grupo experimental, braço da organização, que desenvolve trabalhos literários com escritores que pleiteiam uma vaga na academia. 

Odette Costa Bodstein (1927-2006) escritora e colunista social, foi uma das fundadoras da AAL é grande entusiasta do mundo literário araçatubense. Odette incentivou diversos personagens influentes da cidade a propagarem seus trabalhos, expondo os dotes da escrita de cada um.

A professora e escritora Cidinha Baracat, 77, foi uma das estimuladas por Odette a publicar seu primeiro livro. Segundo Cidinha, sua intenção era “por para fora uma emoção, um sentimento”, sem ter a pretensão de publicar nenhum trabalho. No entanto por incentivo da então presidente da AAL, acabou tendo seus escritos publicados através do prêmio “João de Scantimburgo” concedido pela academia a época.

PRELUDIO
Cidinha Baracat relembra da infância como uma incitação para a escrita. Ela conta que sua mãe educava as mulheres da colônia onde residiam, em Macatuba (SP), numa espécie de escola improvisada. Sempre participando dessas aulas, se alfabetizou aos cinco anos de idade e desde então demonstrou aptidão pela literatura. “Acho que é algo da minha própria natureza um gosto pela palavra escrita e principalmente pelos poemas”, comenta Cidinha sobre sua preferência pela poesia. 

"Tudo que a poesia envolve é na verdade momento da vida, que tem um sentido sublime, se soubermos percebe-lo." Cidinha explica que a poesia em si é "algo abstrato", mas o poema "concretiza o sentimento poético".  

Já a jornalista e também escritora, membro da AAL, Cecília Vidigal Ferreira, 59, conta que há uma tradição literária entre seus familiares. Seu pai, o poeta e jurista Geraldo de Camargo Vidigal (1921-2010), foi membro da Academia Paulista de Letras, da Academia Internacional de História e Literatura de Lisboa e da Academia Internacional de Direito e Economia de São Paulo. Entre seus diversos trabalhos publicados, escreveu o livro de poemas “Predestinação”, prefaciado por Mario de Andrade. 

Outra referencia familiar de Cecília é sua irmã Betty Vidigal, jornalista, poeta e contista que é membro da União Brasileira de Escritores (UBE). 

Apesar de toda essa referência familiar, Cecilia afirma que não imaginava seguir esse caminho. “Meu pai escrevia talentosamente, minha irmã escrevia extraordinariamente bem, além de meus irmãos que também escreviam com maestria. Eu era a caçula e pensava que não precisava escrever”, lembra a escritora.  Ainda sobre essa influencia ela destaca que: “Tanto do lado do meu pai, quanto da minha mãe, eu tenho escritores bem conhecidos”. 

PUBLICAÇÕES
Cecília Ferreira ainda relembra que aos quatro anos de idade escreveu seu primeiro poema, mas que esse não foi o estopim para o estímulo à escrita. Sua grande entusiasta também foi Odette Costa. “Dona Odette insistiu demais que eu escrevesse, porque ela queria publicar no jornal um poema meu. Mas ela tanto exigiu que saiu no meu primeiro livro que é o 'Instantâneos'”, destaca Cecilia. 

A escritora teve seu primeiro livro publicado em São Paulo pela editora de Massao Ohno (1936-2010), um dos principais editores independentes de livro do país. Seu segundo trabalho, “Vinhos”, foi lançado pela Nankin Editorial, também na capital paulista. 

O também escritor e professor Tito Damazo, 66, atual presidente da Academia, conta que sentiu a necessidade de tornar públicas suas obras quando percebeu que possuía um conjunto de poemas dignos de publicação e assim surgiu seu primeiro trabalho "Insubmição", livro de poesias lançado em 1994. O escritor tem preferencia em ler e trabalhar com romances, contos e poesias. Mas quando o assunto é a produção de conteúdo, seu gosto fica restrito à crônica.

Dentre as obras publicadas por Tito, estão a critica literária “Ferreira Gullar -  uma poética do sujo”, também lançado pela paulista Nankin, o livro de poesias “Contrabaixo”, e seu mais recente trabalho é “Sob a batuta do bicho grilo”, que reúne poesias infantis, que está previsto para ser publicado ainda este ano.

INFLUENCIAS
De acordo com esses escritores, a formação cultural baseia-se tradicionalmente em estímulos pela leitura na infância, focada e direcionada em conteúdos clássicos e eruditos da época. Fugindo essa regra, o médico neurologista, Lourival Amílton Lautenschlager, 75, membro da AAL, adquiriu o prazer pela leitura de uma maneira diferente: os gibis; os quais afirma ter lhe dado suporte para seu desenvolvimento. "Devo muito da minha formação cultural aos gibis", explana Lourival. 

O mesmo se deu com a romancista Maria Luzia Villela, 84, que teve como fonte de inspiração uma tia, que segundo ela: "Dos ignorantes ela os fazia letrados, sábios, e dos indiferentes ela fazia gente interessada". Segundo Luzia, sua infância foi de extremo incentivo à leitura e estímulo ao pensamento.
 
Maria Luzia conta que durante a infância, na casa de sua tia sempre aguardava a chegada do jornal com o intuito de ler as tirinhas. "Meu irmão me ajudou muito quando eu comecei a me interessar pelas histórias, ele já lia 'Mutt e Jeff', que vinha nas tiras de jornal." 

AAL 
Recentemente, a Academia Araçatubense de Letras passou a ser um dos "Pontos de Cultura" do Consórcio Culturando de municípios, promovido pelo Ministério da Cultura. Dentre os projetos que a entidade desenvolve, está prevista a publicação de uma coletânea de textos literários de escritores da região, como também a ressistematização da circulação anual de sua revista “Plural”.

A academia também realiza tradicionalmente o “Concurso de Contos Osmair Zanardi”, saraus literários, shows lítero-musicais e mantém colunas literárias nos jornais da cidade.  Há anos mantém o funcionamento do Grupo Experimental cujas atividades giram em torno de leituras e discussões de textos, palestras e estudos literários, além de publicação de uma coletânea de textos dos participantes, basicamente a cada ano, denominada "Experimentânea".

Projeto municipal incentiva publicações de livros
Um projeto desenvolvido através do governo municipal de Araçatuba busca estimular a publicação de produções literárias de escritores araçatubenses (a maioria membros da AAL) e de qualquer outro interessado que tenha pretensão de tornar públicos seus trabalhos. A iniciativa é administrada pela Secretaria Municipal de Cultura (SMC). 


Segundo o escritor e também secretário municipal de Cultura, Hélio Consolaro, 66, no ano de 2014 o edital de literatura, custeado pela prefeitura sob o fundo municipal de cultura, contribuiu para a publicação de sete novos livros. "Araçatuba está na frente literariamente falando, mas bem longe do ideal. Temos editora, temos escritores, há a Academia Araçatubense de Letras, a União Brasileira de Escritores", elencou o secretário. 

Além disso, a Secretaria Municipal de Cultura realiza anualmente a Jornada de Literatura, que neste ano completou sua 6ª edição, realizada no mês de setembro. A jornada reúne escritores de Araçatuba e região, além de autores reconhecidos nacionalmente por suas obras. São realizadas atividades como teatros, saraus, palestras e shows musicais.

O prêmio é dividido em três categorias de publicações; coletânea, gênero misto e literatura infantil, sendo respectivamente os dois primeiros gêneros no valor de sete mil reais e o ultimo no valor de oito mil reais. Dois títulos de cada segmento (coletânea e literatura infantil) são publicados. Somente a categoria de gênero misto é que contempla três publicações. Ao todo, o governo municipal investe R$ 51.000,00 na promoção de novos trabalhos literários. 

Os interessados podem participar dos editais para publicação de livros. As inscrições sempre se iniciam no final do primeiro semestre de cada ano e o resultado sai entre os meses de agosto e setembro. 

Mais informações pelo telefone da SMC (18) 3636-1270 ou pelo blog: secretariacult.blogspot.com

Fonte: Hugo Rocha e Raphael Narcizo - Jornal "FATO" (Jornal laboratório feito pelos academicos do 6º semestre do curso de Comunicação Social - Jornalismo do Centro Universitário Toledo [UniToledo] como atividade da disciplina Jornalismo Impresso).  

Araçatuba, cidade da dança

Conforme levantamento feito pela consultoria JLeiva, com recursos do Proac e da Lei Rouanet, o município tem o segundo maior índice do Estado de São Paulo em frequência de público em espetáculos de dança, com 24%; a cidade fica atrás somente de São Bernardo do Campo, com 26% da população interessada por este tipo de evento. Imagem: Dayse Maria/Folha da Região

Araçatuba tem o segundo maior índice do Estado de São Paulo em frequência de público em espetáculos de dança. O dado foi revelado a partir dos resultados de uma pesquisa divulgada recentemente, coincidindo com os preparativos do 1º Edara - Espetáculos de Dança de Araçatuba, mostra local que acontece no final deste mês. O estudo foi realizado pela JLeiva, empresa de consultoria em eventos culturais e esportivos, com verba obtida por meio do Proac (Programa de Ação Cultural da Secretaria de Estado da Cultura) e da Lei Rouanet de incentivo fiscal.

O município, com 24% da população interessada por este tipo de evento, só perde para São Bernardo do Campo, com 26%, ficando na frente até da capital, cujo índice foi de 18%. "Perguntamos para as pessoas se elas foram a algum espetáculo de dança no último ano, no último mês, há mais de um ano ou se nunca foram. Araçatuba foi o segundo município do estado em número de pessoas que declararam ter ido a um espetáculo de dança no último ano", explica o consultor João Leiva, idealizador do estudo.

A pesquisa traz dados sobre o comportamento, os interesses e o conhecimento cultural dos paulistas. No total, foram entrevistadas 7.939 pessoas de 21 ci- dades com mais de 100 mil habitantes. O questionário contou com 80 questões, aplicadas em campo pelo Instituto Datafolha.

O resultado deixou o secretário municipal de cultura Hélio Consolaro satisfeito. "Significa que nossos esforços para tornar Araçatuba conhecida como um polo da dança no interior estão indo no caminho certo", diz. Para ele, os dados da pesquisa refletem o trabalho feito com o Balé Municipal, que envolve não só as crianças que participam das aulas, mas também os pais e amigos que frequentam as apresentações. "É um tipo de formação de plateia", complementa.

FESTAS POPULARES
A cidade também está acima da média do Estado em presença em festas populares (34%) e shows musicais (28%). Dentro das festas populares, como explica Leiva, estão eventos como festas juninas, rodeios, carnaval, festas do setor agropecuário em geral. "Deixamos 'festas populares' em aberto, sem restringir, mesmo porque o número de questões era grande e também para não induzir as pessoas a responderem com algum exemplo dado", afirma.

A Expô Araçatuba, aliás, apareceu no topo dos eventos mais importantes da cidade, empatando com a Virada Cultural Paulista, ambas com 12%. Para Consolaro, é algo positivo, já que a feira agropecuária, mais popular, traz shows de cantores com destaque na mídia, e a Virada, atrações não tão conhecidas (o que, em alguns casos, poderia ser um fator que despertasse menos o interesse das pessoas). "São eventos diferentes e há público aqui para os dois", acrescenta o secretário.

TERCEIRA OPÇÃO
As atividades culturais, porém, vêm como terceira opção nas preferências dos araçatubenses em seu tempo livre; 17% deles afirmaram recorrer a este tipo de lazer, perdendo para atividades de mídia, co- mo assistir TV ou navegar na internet (26%) e para as atividades esportivas (com 23%). Segundo Leiva, o distanciamento do município de cidades maiores que oferecem mais opções de atividades culturais pode in- fluenciar nisso.

"Araçatuba, na pesquisa, é a que está mais a Oeste, tirando Presidente Prudente. A gente percebe que em todas estas cidades menores, com menos de 200 mil habitantes, há menos atividades de cinema, por exemplo, provavelmente porque o número de salas é bem abaixo das demais cidades. Há um número de municípios perto da capital, que devem ter o mesmo nível de oferta cultural de Araçatuba, mas as pessoas acabam tendo uma vida cultural mais intensa porque têm como acessar atividades naquelas cidades maiores próximas", analisa o consultor.

Um dado curioso revelado ainda pela pesquisa foi uma grande parcela de desinteresse da população pelo teatro, mesmo havendo anualmente o Festara (Festival de Teatro de Araçatuba), que teve sua décima edição em 2014, e um curso local profissionalizante em artes cênicas; 49% dos entrevistados alegaram não se interessar pelo segmento. A falta de espa- ços que ofereçam este tipo de atração próximo à resi- dência das pessoas foi outro motivo alegado para não irem a espetáculos teatrais.

LACUNA
Para Consolaro, a causa da lacuna ainda vai além. "Em Araçatuba não há um teatro público de grande porte, que acomode um número superior de pessoas. Mas, além disso, não existe uma oficina fixa voltada às crianças, como acontece com o Balé Muni- cipal. E os hábitos culturais devem ser estimulados desde a infância", diz.

Segundo o secretário, a pesquisa será analisada pela secretaria junto ao CMPCA (Conselho Municipal de Políticas Culturais de Araçatuba); a partir deste estudo mais detalhado, como ressalta, será possível ter uma noção dos pontos positivos e de tudo aquilo que precisa ser melhorado, além de apontar caminhos para realizar essas melhoras. Os gráficos, assim como os dados tabulados em planilha Excel, estão disponíveis gratuitamente para serem baixados no site www.jleiva.com.br.

Fonte: Talita Rustichelli - Folha da Região